“A fotografia não vai salvar o mundo, mas vai contribuir para alguma coisa”

Oficina no Comunisul fala sobre o impacto da fotografia na comunicação

Os apaixonados pela fotografia estiveram presentes na oficina “Fotojornalismo: como impactar com a fotografia”, no segundo dia da 3ª Edição do Comunisul, na unidade Pedra Branca, em Palhoça, ministrada pelo fotógrafo e professor Roberto Forlin.

A esteticista Beatriz Estefano, de 22 anos, conheceu o trabalho de Forlin através de amigos que cursam Jornalismo na Unisul. Ela já havia participado de projetos que o professor realizava na universidade e acabou se apaixonando pelo trabalho dele. “Achei a oficina bem interessante, muito informativa até se tratando da parte teórica”, responde a moradora do bairro Barra do Aririú, em Palhoça.

Forlin, que é professor na Unisul e da Univali, contou um pouco sobre sua trajetória profissional, os lugares nos quais já trabalhou, algumas viagens que realizou e o que aprendeu como fotojornalista. “Você fica mais sensível, mais humano. O trabalho do fotojornalismo te leva à vida e você expõe a vida”, afirma o professor.

Roberto Forlin na oficina de fotografia. Foto: Cecília Boeira

O fotógrafo diz que para ser um bom fotojornalista é preciso ter consideração com o próximo, sempre trabalhar de uma maneira coerente e honesta porque se está lidando com informação. “Você tem que ter ética com essa informação, trabalhar de uma maneira profissional, sempre extraindo o melhor de você tecnicamente e, através da linguagem fotográfica, extrair também o melhor da criatividade para compor uma boa foto. A fotografia vai registrar um momento único e é isso que o fotojornalismo muitas vezes busca.  É o momento que decide o fato jornalístico”, declara o professor.

Roberto Forlin, que é paulistano, estudou fotografia em Atlanta, nos Estados Unidos, na Inglaterra e em São Paulo, também é formado em Comunicação Social na Universidade Paulista em 1993 e possui mestrado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC, em 2000.

Deixe uma resposta